Capa | Publicado em: 06/07/2017 10:44:00

As oscilações de tributação no Brasil é uma constante nos últimos anos. Em 2011, a Contribuição Previdenciária das empresas de Tecnologia da Informação (TI) foi reduzida para 2,5% sobre o faturamento bruto, em 2012 foi reduzida para 2% até 2014, e em 2014, o Regime passou a ter vigência por tempo indeterminado. Em 2015, aumentou para 4,5%, porém com a opção de 20% sobre a folha de pagamentos. Este ano, através da Medida Provisória nº 774/2017 o governo elimina a opcionalidade e torna obrigatório o recolhimento de 20% sobre a folha.

No setor de serviços, em especial o de TI, as despesas de pagamento de pessoal oscilam entre 70% e 80% do total de despesas. O que significa uma tributação de 14% a 16% da sua receita bruta, enquanto na forma vigente a opção de alíquota de 4,5%, embora alta, é mais benéfica para a maioria das empresas. Temos mostrado aos parlamentares o impacto que sofreremos com consequências desastrosas para nosso setor caso vigore esta alteração.

Argumentos que convenceram o relator da MP 774, senador Airton Sandoval (PMDB-SP), a acolher emendas que visam manter o regime atual, o que significa uma vitória provisória, que dependerá das próximas votações e de possíveis vetos, eventualmente propugnados pela Receita Federal. Na realidade esta batalha da reoneração precede a próxima, que será a comentada proposta governamental de unificação dos recolhimentos do PIS/COFINS para o regime não cumulativo, o que representará - dependendo dos percentuais adotados, um aumento real das despesas de pelo menos 5,6% sobre o faturamento.

É impossível para qualquer empresa, independente de seu tamanho, planejar suas atividades com tantas oscilações tributárias. Se concretizados os aumentos desejados pelas autoridades fazendárias, seremos onerados em torno de 20%, o que certamente inviabilizará o setor, já duramente atingido pela crise nacional. Vamos continuar nesta luta, liderada nacionalmente pela Fenainfo, apelando para o bom senso de nossos dirigentes. A Tecnologia da Informação é essencial para a retomada do crescimento econômico, independência nacional e é estratégica para o nosso futuro como País. 

Benito Paret é Presidente do TI RIO – Sindicato das Empresas de Informática 

Site: Convergência Digital
Data: 23/06/2017 
Hora: ------ 
Seção: Opinião 
Autor: Benito Paret 
Link: http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=45532&sid=15




Conferência Brasileira de Estabilidade de Encostas será em Florianópolis
Startup catarinense vence concurso voltado para franquias
Lectra promove workshop de moda em Blumenau
É preciso ter um olho no consumidor e outro na tecnologia
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Blog do Editor






















Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado



Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado


Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Agenda Executiva

Encontre cursos, palestras e eventos em Santa Catarina

Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Empregos

Pensou em mudar de empregou ou carreira?
Encontre sua nova vocação

Patrocinado
Patrocinado


As mais lidas







Reprodução

Permitimos a livre reprodução do conteúdo, respeitados os contextos da edição. Agradecemos a citação da fonte - www.noticenter.com.br

Endereço

Rua Petrópolis, 206 - CEP 89010-240 - Blumenau - SC
Telefone (47) 3035-4314 | (47) 3035-4316

Receba em seu e-mail



Visite as Redes Sociais

Capa | Cidades | Blog do Editor | Legislação | Carreiras | Entidades | Gestão | Indústria | Logística | Marketing | Tecnologia | Têxtil | Imóveis | Saúde | Veículos |
<—HiFRITZ—> <—HiFRITZ—>