Legislação | Publicado em: 10/05/2017 12:41:00

O frigorífico Macedo Agroindustrial, unidade de São José e o Sindicato Trabalhadores Indústria de Alimentação Grande Florianópolis (SITIALI) firmaram acordo judicial com o Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina (MPT-SC) na Ação Civil Pública de nº 000609-07.2015.5.12.0031.

Pelo acordo a empresa, entre as obrigações, terá que reduzir o ritmo de trabalho, adequar o transporte de cargas por empregados, observar os limites de duração da jornada, fazer a adequação de biodigestores e dos vasos de pressão da planta industrial, providenciar a proteção de máquinas e equipamentos e a prevenção ao vazamento de amônia, adequar a fábrica de farinha e óleo, bem como aceitar atestados de empregados por médicos não vinculados à JBS e realizar a emissão de CAT.

A multa por descumprimento é de R$ 50 mil por mês, por cláusula descumprida, limitado a 1 milhão ao ano, com aumento de 50% da multa na hipótese de descumprimento.

A título de indenização por danos morais coletivos a empresa pagará o valor de R$ 9.000.000,00 (nove milhões de reais) em três parcelas de R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais) por ano.

Os valores serão utilizados na reabilitação física e profissional de empregados lesionados, para indenizar os trabalhadores que sofreram algum tipo de lesão, criação de um centro de reabilitação física e profissional, aparelhamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE-SC) e, também, para investimentos em pesquisa em saúde dos trabalhadores, especialmente em frigoríficos. 

Tecnicamente o que foi acertada para a correção do ritmo de trabalho

O acordo foi homologado pela Desembargadora do Trabalho Viviane Colucci da 1ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC). Um dos pontos mais importantes é a redução do ritmo de trabalho que será feito de forma gradual segundo os parâmetros da ISO 11.228-3 (Método Ocra) e o Anexo do acordo. 

Na atividade pendura de aves, por exemplo, atualmente os empregados penduram cerca de 18,8 aves por minuto (23 pontos no check List Ocra) e passarão a pendurar 11,3 frangos por minuto (12 pontos no check List Ocra), em setembro de 2018.

No refile de peito, a velocidade atual de 6 peitos por minuto (24 pontos no check List Ocra) será reduzida para 4 peças por minuto em janeiro de 2019 (13 pontos no check list Ocra). 

O Método Ocra, criado pelos pesquisadores Italianos Daniela Colombini e Enrico Occhipinti é o método preferencial no Brasil e na Europa para avaliação dos riscos por atividades repetitivas de membros superiores.

O método avalia os riscos decorrentes do ritmo de trabalho, posturas, força e outras exigências complementares.

O método prevê parâmetros de prevalência de adoecimentos ocupacionais segundo a faixas de risco encontrados na pontuação do seu Check List, conforme a tabela abaixo:

Para que os empregados possam fiscalizar a adequação do ritmo de trabalho a empresa deverá instalar relógios e placas que sinalizem os limites de peças por minuto. 

Levantamento realizado pelo Médico do Trabalho Cássio Vieira, analista pericial do MPT-SC, em 60 unidades frigoríficas em todo o Brasil, concluiu que a Macedo de São José é o segundo frigorífico com maior número de benefícios previdenciários concedidos com o diagnóstico de distúrbios osteomusculares (CID Grupo M), seguido pela unidade da JBS de Morro Grande na Região de Criciúma.

Para o Procurador do Trabalho Sandro Eduardo Sardá, Coordenador Nacional do Projeto de Adequação das Condições de Trabalho, “para a unidade da Macedo Agroindustrial tem um preocupante histórico de acidentes de trabalho e adoecimentos ocupacionais, o acordo é um marco na transformação desta grave realidade para assegurar a saúde dos trabalhadores”.
Sardá ressalta que tanto o MPT- SC quando o sindicato SITIALI estão atentos para que todas as medidas previstas no acordo sejam efetivamente cumpridas.

Entenda o caso

Em inspeção realizada no frigorífico Macedo/JBS, a Auditora Fiscal do Trabalho, Lílian Carlota Rezende, apontou que somente entre agosto e setembro de 2014, foram constatados 3.550 casos de jornada acima de 10 horas ao dia, sendo que em geral a empresa exigia jornadas de 14 horas.
Também foram constatados ausência de proteção em máquinas e equipamentos e riscos graves de vazamento de amônia. No setor de fábrica de farinha e óleo, por exemplo, ocorreram dois acidentes graves com queimaduras e amputações de dedos.

Em maio de 2015 a Juíza Patrícia Braga Medeiros, concedeu liminar favorável à ACP, "dada a atividade da ré; as longas jornadas constatadas, sem repouso adequado; a falta de prevenção de acidentes nos maquinários e ambiente de trabalho; o que, indubitavelmente, importa em risco grave à integridade e saúde dos trabalhadores da empresa”, manifestada na sentença.


Em janeiro de 2016, o Juiz Elton de Salles Filho, da 1ª VT de São José, proferiu sentença declarando a ilegitimidade do MPT para ajuizar ação civil pública proibindo a submissão de empregados a jornadas superiores a 10 horas diárias. 

No entanto, a Desembargadora Viviane Colucci, em abril de 2016, reconheceu a legitimidade do MPT no caso e concedeu liminar para que a empresa cumpra as normas que limitam a duração do trabalho. Em março de 2017 foi fechado o acordo.
 




Vara do Trabalho realiza audiência por vídeo com autor residente nos EUA


Projeto leva ao Congresso o Simples Trabalhista


Tribunal do Trabalho quer ajudar empresas em acordos


Setorização do Fisco garante crescimento da arrecadação

Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Blog do Editor






















Patrocinado
Patrocinado





Agenda Executiva

Encontre cursos, palestras e eventos em Santa Catarina


Empregos

Pensou em mudar de empregou ou carreira?
Encontre sua nova vocação



As mais lidas







Reprodução

Permitimos a livre reprodução do conteúdo, respeitados os contextos da edição. Agradecemos a citação da fonte - www.noticenter.com.br

Endereço

Rua Petrópolis, 206 - CEP 89010-240 - Blumenau - SC
Telefone (47) 3035-4314 | (47) 3035-4316

Receba em seu e-mail



Visite as Redes Sociais

Capa | Cidades | Blog do Editor | Legislação | Carreiras | Entidades | Gestão | Indústria | Logística | Marketing | Tecnologia | Têxtil | Imóveis | Saúde | Veículos |
<—HiFRITZ—> <—HiFRITZ—>