Indústria | Publicado em: 21/07/2017 08:30:00

Foi confirmada na noite da última quarta-feira (19) a eleição da nova diretoria da Associação das Cervejarias Artesanais de Santa Catarina (Acasc).

Alexandre Mello, cervejeiro da Itajahy, assumiu a presidência da entidade pelos próximos dois anos e sucede Carlo Lapolli.

O vice-presidente será Daniel Regionatto e a diretoria é composta ainda por Érico Augusto Masera Marchi, Edgard Louro de Freitas e Leandro de Oliveira Schmitt. O conselho fiscal é Fabiano Massaneiro, Brunhard Borck e Sidernei Adriano Karsten.

A expectativa de Mello é de um biênio de aceleração das marcas artesanais locais e ele espera que a entidade seja uma apoiadora do empresariado do segmento. “Nós somos a primeira associação estadual ligada a este mercado, antes mesmo da criação da entidade nacional. Em 2018 completamos uma década e queremos contribuir ainda mais para que o movimento cervejeiro se profissionalize e expanda”, diz.

Mello elencou cinco frentes de atuação da Acasc para o seu mandato. Abaixo, um resumo de cada uma delas.


QUESTÕES TRIBUTÁRIAS

Santa Catarina foi o Estado pioneiro em estender a mão e enteder o que o mercado das cervejas artesanais significa para a economia ​regional​. Foi a primeira região à conceder um regime de benefício fiscal às microcervejarias, o que ajuda muito para uma concorrência menos desigual com as grandes marcas comerciais. Neste sentido, Mello destaca duas questões urgentes para o setor. A primeira é a perda de benefícios. “Há um movimento para a retirada dos benefícios de ICMS para as cervejarias artesanais em Santa Catarina. Estamos mobilizando representantes para que entendam o potencial do mercado no estado e apoiem o movimento “, comenta. Outra preocupação em relação ao ICMS diz respeito à entrada no Simples, que faria com que as indústrias que optassem pelo regime fiscal não tivessem acesso ao benefício.

A segunda questão importante para o setor é a tributação em relação às cervejarias ciganas. “Hoje é possível optar por duas formas de terceirização de produção no caso das ciganas. Ou o criador da cerveja atua apenas como distribuidor (e neste caso é a fábrica terceira que arca com os impostos) ou então a cigana pode ser a gestora e a fábrica atuar apenas como terceirização de serviços (neste caso, ela não tem acesso aos benefícios fiscais). Os ciganos são, hoje, uma das partes mais frágeis da cadeia. Precisamos que ele também tenha esse tipo de benefício”, explica Mello.


PROFISSIONALIZAÇÃO

Outro objetivo da nova diretoria é atuar na profissionalização dos atuais colaboradores de cervejarias em temáticas específicas e de maneira itinerante. “Investimento em qualificação de mão-de-obra é essencial para o crescimento e reconhecimento da cerveja catarinense pela sua excelência”, comenta Mello. A ideia é realizar capacitações em todas as regiões do estado, com demandas que sejam das próprias indústrias.


COMBATE AO COMÉRCIO INFORMAL

Mello destaca a importância dos cervejeiros caseiros para o desenvolvimento do setor. No entanto, um dos objetivos da Acasc é atuar contra a venda ilegal deste tipo de marca e fomentar a legalização dos negócios cervejeiros. “Nós acreditamos em um mercado com condições igualitárias e na valorização da qualidade dos produtos. Por isso, além de auxiliarmos a fiscalizar a produção e venda ilegal, gostaríamos de estender a mão para os cervejeiros informais e auxiliá-los a regularizar suas operações”, aponta o novo presidente da entidade. “O mercado da cerveja está em expansão e por isso é importante mantermos a credibilidade para que todos ganhem”, finaliza.


FORTALECIMENTO DA CATHARINA SOUR

A iniciativa criada em Santa Catarina para reunião de cervejarias em torno de um objetivo comum, a Catharina Sour será foco de mais ações da Acasc. Os workshops sobre a cerveja que já acontecem em todas as regiões de Santa Catarina e fora dela serão mantidos e a ideia é que marcas de todo o país adotem esse tipo de Sour. “Nós acreditamos muito na popularização deste estilo no Brasil e queremos que esta seja mais uma porta de entrada do consumidor para o mercado das artesanais do tipo sour”, acrescenta Mello.


EU BEBO CERVEJA LOCAL EM TODO O ESTADO

Ainda este ano, o movimento Eu Bebo Cerveja Local, que incentiva o consumo de cervejas regionais através de growlers e de um aplicativo que aponta onde estão as marcas mais próximas do consumidor, vai chegar a todo o estado. A previsão é que em outubro a iniciativa dos cervejeiros de Florianópolis seja expandida.

“Foi uma ótima sacada do cervejeiros da região de Florianópolis e tivemos todo o apoio dos criadores para que ampliássemos esse movimento. Estamos muito felizes em oferecer mais uma possibilidade para que o consumidor se relacione com as cervejas da sua região, além, é claro dos bares e retaurantes”, finaliza Mello.​​​




Energias renováveis são aliadas dos produtores rurais


Produtores querem viabilizar Rota do Milho na fronteira Oeste


Aurora Alimentos é 17ª maior empresa no ranking 500 Maiores do Sul


Balneário Shopping recebe flaship da Vøn der Völke

Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Blog do Editor






















Patrocinado





Agenda Executiva

Encontre cursos, palestras e eventos em Santa Catarina


Empregos

Pensou em mudar de empregou ou carreira?
Encontre sua nova vocação



As mais lidas







Reprodução

Permitimos a livre reprodução do conteúdo, respeitados os contextos da edição. Agradecemos a citação da fonte - www.noticenter.com.br

Endereço

Rua Petrópolis, 206 - CEP 89010-240 - Blumenau - SC
Telefone (47) 3035-4314 | (47) 3035-4316

Receba em seu e-mail



Visite as Redes Sociais

Capa | Cidades | Blog do Editor | Legislação | Carreiras | Entidades | Gestão | Indústria | Logística | Marketing | Tecnologia | Têxtil | Imóveis | Saúde | Veículos |