| Publicado em: 20/10/2017 11:00:00

O Sebrae promoveu em Brusque mais uma edição do projeto Moda Catarina, que a entidade mantém em parceria com o Sebrae.

Foi apresentado um workshop ministrado pelo varejista e especialista em marketing, Josué Varella, que proferiu palestra abordando questões de marketing e varejo na área têxtil.

Josué Varella trabalha no mercado varejista desde 1992.

Hoje, atua no grupo Top Brands, detentor também das marcas Polo Wear, Planet Girls e Hot Point.

A rede é formada por 180 lojas no Brasil e tem cerca de quatro mil colaboradores.

Confira alguns dos destaques da palestra:

  1. Existem pilares que são importantes para uma operação de varejo funcionar e dar certo. Às vezes se investe muito no bom produto, no bom ponto comercial e no bom projeto arquitetônico. Mas, se esquece do mais importante, que é o fator humano. Isso é o que faz a diferença na maioria dos negócios.

  2. O consumidor contemporâneo está interessado em produtos com o melhor custo/benefício, ou seja, anseia por uma moda democrática, que reúna qualidade, design e um valor acessível.

  3. O mercado do varejo no presente está fluído, digital e complexo. Muito diferente da realidade que havia há 10 anos. O avanço da tecnologia exigiu do empresário a habilidade de se reinventar e de compreender cada vez melhor sobre como o seu público-alvo se comporta.

  4. Algumas marcas têm apostado na experiência e em ações que estimulem o engajamento. A venda, nesse caso, é consequência.

  5. A principal exigência do cliente ainda é a qualidade. Se já faltar essa percepção, não existe valor nessa relação. Quem espera ganhar o mercado abrindo mão da qualidade pode estar certo de que é um caminho sem volta. Marcas importantes deixaram de existir justamente por isso.

  6. O engajamento envolve o colaborador. Quem não investe em treinamento e não reúne a equipe não pode esperar que o produto sozinho faça milagres. Equipe sem engajamento não traz resultado. É fundamental tratar bem o colaborador, valorizar, dar atenção. Eu sei que é difícil e que é preciso economizar, mas quem paga o mínimo, vai ter o mínimo de resultado.

  7. É preciso ter em conta a a interferência do mundo digital. Nos pequenos negócios formados há mais de uma década, que iniciavam a operação na garagem de casa, depois estendendo a atuação até uma loja do bairro quando, enfim, se atingia o ápice de uma loja em algum conceituado centro comercial. Hoje, o movimento é ao contrário. Uma loja pode nascer apenas em uma rede social e, com um bom número de seguidores, tende a se transformar em uma loja virtual. Agora são os shoppings que andam de olho neste mercado e investem em convites para que os empreendimentos estendam sua atuação também em espaços físicos.

  8. É inevitável estar nas redes sociais. Existe um aparelho que não fica um metro distante de todos nós e que nos referencia. O celular já dominou o mundo dos negócios e o comportamento de compras. A velocidade da mudança é tão grande que, quem não se preparou, pode ficar de fora desse mercado.

  9. Você sabe qual a razão de nem toda oportunidade ser convertida em venda? São três possibilidades: produto ruim, atendimento ruim ou indisponibilidade de produto. Às vezes, mais de uma associada. E, apenas uma, pode ser suficiente para o fracasso do negócio.

  10. O importante é que é possível melhorar esses três aspectos e algumas perguntas devem ser feitas com um olhar crítico, indiferente da posição que se ocupa nessa cadeia. A qualidade do produto pode melhorar? Há investimento e treino da equipe? A cadeia de suprimento está preparada? A conversão de vendas já começa na vitrine. Muito lojista economiza na contratação de um vitrinista porque custa caro. Caro é não atrair cliente para dentro da loja.

  11. A atenção do consumidor agora está voltada para os recursos tecnológicos e a maioria enxerga valor em um celular de marca, por exemplo. A economia do país mudou muito nos últimos 30 anos: veio a conquista da casa própria, do carro novo. E sobrou pouco dinheiro para investir no vestuário. Enquanto marcas famosas e consagradas vão perdendo a força por não adequar seus preços a este novo comportamento, os magazines crescem justamente em cima deste contexto.

  12. O desafio é resignificar o varejo da moda, que passa por uma profunda transformação no mundo através da perda de relevância. Existem novos canais de concorrência e muita dificuldade para treinar e reter equipe. Tudo isso ainda acentuado e mais complexo em razão da crise.

  13. É necessário compreender o comportamento do nosso tempo e o quanto as experiências estão sendo valorizadas, aliado à tecnologia que tem um espaço muito grande no imaginário e no desejo das pessoas.

  14. Basta observar os grandes magazines: mais importante é passar uma mensagem bem produzida do que encher a entrada da loja com excessos. Assim, as marcas apostam em três manequins conceituais e ampliam a entrada do estabelecimento. A intenção é atrair o consumidor, já que a magia acontece do lado de dentro. Algumas, inclusive, já desenvolvem vitrines interiorizadas, ou seja, o cliente precisa entrar para ver as peças expostas, pois a vitrine está do lado de dentro.

  15. Valorizar o ser humano é nobre e essencial. Lojas exalam felicidade ou angústia e a gente percebe isso enquanto consumidor. Trabalhar com respeito e verdade é a regra do jogo. O trabalho não é apenas uma fonte de renda, ele é um ambiente que nos transforma em pessoas melhores. Dinheiro é só a consequência do esforço combinado de todos.

  16. Pesquisas indicam que 13% da renda média do brasileiro é gasta com vestuário. A intenção é fazer com que o cliente gaste o máximo com você. Então o painel de controle é necessário. Anote quanto a loja vende, quanto cada vendedor vende, quantas peças saem por dia, quantos atendimentos são realizados. Ao se observar isso é que se encontram as oportunidades de melhorias. E, lembrem-se: o que não se gerencia, não se controla.

 



Segundo lote do Startup SC Summit encerra hoje
Fintech que cresce mais de 220% ao ano procura parceiros
Inscrições abertas para curso gratuito de programação em Florianópolis
Blumenau sedia Seminário Catarinense de Comércio Eletrônico 2018
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Blog do Editor






















Patrocinado





Agenda Executiva

Encontre cursos, palestras e eventos em Santa Catarina


Empregos

Pensou em mudar de empregou ou carreira?
Encontre sua nova vocação



As mais lidas







Reprodução

Permitimos a livre reprodução do conteúdo, respeitados os contextos da edição. Agradecemos a citação da fonte - www.noticenter.com.br

Endereço

Rua Petrópolis, 206 - CEP 89010-240 - Blumenau - SC
Telefone (47) 3035-4314 | (47) 3035-4316

Receba em seu e-mail



Visite as Redes Sociais

Capa | Cidades | Blog do Editor | Legislação | Carreiras | Entidades | Gestão | Indústria | Logística | Marketing | Tecnologia | Têxtil | Imóveis | Saúde | Veículos |