Entidades | Publicado em: 28/03/2017 12:50:00

A retração econômica brasileira e a mudança no perfil dos turistas que circularam em Santa Catarina no verão de 2017 impactaram no comércio e turismo.

Se por um lado os resultados no caixa das empresas foram aquém do projetado pelo setor, quem desfrutou dos principais destinos do litoral catarinense fez uma avaliação bastante positiva e 93,6% pretende voltar.

Os principais indicadores da temporada compõe a Pesquisa Turismo de Verão 2017, apresentada pela Fecomércio SC e debatidas por autoridades do setor na segunda-feira (27). Os dados foram levantados com turistas e empresários nas cidades de Florianópolis, Balneário Camboriú, Imbituba, São Francisco do Sul e Laguna.

Entre os 17 indicadores avaliados pelos turistas com notas de 0 a 5, a categoria melhor pontuada foi a Experiência (4,49), que leva em conta informações subjetivas, como nível de diversão na viagem, fuga da rotina diária, o quanto esqueceu do cotidiano e beleza da cidade (natural e construída).

Já a nota mais baixa foi para a categoria acesso (3,45), que inclui banheiros acessíveis, vias de acesso, mobilidade e transporte, horário de funcionamento dos Bares e Restaurantes, Comércio e Atrativos Turísticos.

O estado recebeu a nota média de 3,85: chama a atenção a diferença na percepção dos estrangeiros (4,05) e brasileiro (3,82).

As cidades que receberam as melhores avaliações foram Balneário Camboriú (4.07), São Francisco do Sul (3,93) e Florianópolis (3,92). Na lanterna, as cidades do Sul do Estado: Imbituba (3,79) e Laguna (3.53).

“Cabe a nós que representamos o setor em Santa Catarina explorar todo o potencial do Estado, da Serra ao nosso Litoral exuberante, criando um ecossistema de empreendedorismo e turismo de qualidade. Esta pesquisa é uma ferramenta para o planejamento e desenvolvimento do setor turístico nas esferas públicas e privadas. A avaliação aponta diversas oportunidades de melhoria, principalmente na categoria de acesso”, pondera o presidente da Impactos para empresários

Mais da metade dos estabelecimentos comerciais (56,4%) contrataram colaboradores extras para o verão 2017, embalados pela supertemporada de 2016 (26,7%). Com gasto médio enxuto (R$ 135,28%), o faturamento caiu 14% no período. Na perspectiva destes empresários, o movimento de clientes foi insatisfatório e recebeu a pior avaliação dos últimos anos. Apenas 46% dos gestores emitiram opinião positiva (40% bom e 6% muito bom).

O setor de hotelaria também registrou retração do faturamento em relação ao ano anterior (12,5%), a primeira queda desde 2013. Na comparação com os demais meses, o segmento teve aumento de 37,1%, o menor da série histórica. O gasto médio por cliente nos estabelecimentos foi de R$ 645,53, com taxa de ocupação dos leitos de 75,5% - a menor nos últimos cinco anos. A opinião do setor, no entanto, foi positiva para 62%: 44% bom e 9% muito bom).

Perfil do turista

Os resultados da pesquisa confirmam a percepção do setor. Enquanto as classes A e B reduziram a sua participação, a C continua predominante (55% ) e a D avança, passando de 6% em 2016 para 13% em 2017. Esse comportamento se repetiu em todas as cidades: São Francisco do Sul de 6% para 17%, Florianópolis de 7% para 16%; Imbituba 2% para 10%; e Balneário Camboriú de 8% para 11%. Estes dados não foram apurados no ano anterior em Laguna.

Quase a metade dos turistas é composta pela faixa etária de 31 a 40 anos e de 41 a 50 anos. Apesar deste indicador não apresentar muita variação anualmente, 2017 mostrou o aumento de 3,5 p.p. nos turistas acima de 60 anos, de 6,2 % para 9,7%. Destaca-se o percentual de casados ou em união estável (59,8%) nesta temporada, dado reforçado pelo grupo de viagem predominantemente composto por família (60,7%) e casais (21,8%).

A participação dos argentinos entre os turistas estrangeiros também caiu de 18,1% para 10,7% neste verão. No destino favorito dos hermanos, a Capital de SC, a fatia recuou de 32,7% em 2016 para 19,8% este ano. Na percepção do empresariado do setor hoteleiro, 40,9% dos hóspedes eram estrangeiros, quase 10 pontos percentuais a menos do que no ano anterior (50,5%).

O tipo de hospedagem mais utilizado pesa no gasto médio na temporada. Este ano, os turistas desembolsaram em média R$ 3.085,26 no período e foram mais econômicos nos gastos neste quesito (R$2.306,92 em 2017, frente a R$ 2.651,07 em 2016).

Em Imbituba, 60,7% ficaram hospedados em hotel. Já em Laguna, 36,6% tem imóvel próprio. O alto índice de imóvel alugado (54,1%) chama atenção em São Francisco. Na Capital, a opção para baratear as férias foi a hospedagem na casa de amigos/família (34,2%).

O tempo de permanência no destino subiu para 13,6 dias em 2017, puxado pelo percentual de turistas alocados em imóveis próprios, no qual a estada é de 27,7 dias.




Balneário Camboriú terá seminário para empreendedor
Tecnologia faz custeio de estados cair, diz estudo
2ª edição da Rodada de Negócios da CDL Jovem Blumenau recebe 70 empresas
Governador recebe alunos do Programa Entra21-Blusoft
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Blog do Editor






















Patrocinado
Patrocinado





Agenda Executiva

Encontre cursos, palestras e eventos em Santa Catarina


Empregos

Pensou em mudar de empregou ou carreira?
Encontre sua nova vocação



As mais lidas







Reprodução

Permitimos a livre reprodução do conteúdo, respeitados os contextos da edição. Agradecemos a citação da fonte - www.noticenter.com.br

Endereço

Rua Petrópolis, 206 - CEP 89010-240 - Blumenau - SC
Telefone (47) 3035-4314 | (47) 3035-4316

Receba em seu e-mail



Visite as Redes Sociais

Capa | Cidades | Blog do Editor | Legislação | Carreiras | Entidades | Gestão | Indústria | Logística | Marketing | Tecnologia | Têxtil | Imóveis | Saúde | Veículos |
<—HiFRITZ—> <—HiFRITZ—>