Saúde | Publicado em: 26/05/2017 20:45:00

A equipe da Fundação Pró-Rim realizou na última semana o transplante de número 1.500 ao longo da sua história.

A cirurgia ocorreu no último dia 17 de maio, no Hospital Municipal São José, de Joinville, e beneficiou um homem de 64 anos, morador em Barra Velha.

Os números mostram que a Fundação Pró-Rim, é referência nacional e se destaca entre as instituições que mais transplantam no Brasil.

Ao todo, a Pró-Rim transplantou pacientes de 17 estados brasileiros. Nesta relação, Santa Catarina é o estado com maior número de pacientes beneficiados, representando 84,6% dos transplantes realizados pela instituição.

Em seguida, os estados com maior número de transplantes são Paraná, Tocantins, Mato Grosso, Amapá, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Minas Gerais.

Desses 1500 transplantes, os homens lideram as estatísticas com 62,5% dos transplantados. A faixa etária que mais predomina entre os receptores de rim é entre 20 a 44 anos. Segundo dados dos últimos 100 transplantes da equipe da Fundação Pró-Rim, o tempo de espera em lista destes pacientes foi de pouco mais de cinco meses. 

Números significativos

Para a médica Dra. Luciane Deboni, Coordenadora de Transplantes da Fundação Pró-Rim, Joinville está de parabéns. Segundo ela, menos de 10 centros de transplantes do Brasil alcançaram este resultado, em números absolutos.

A médica destaca que é um reconhecimento do trabalho de muitos anos realizado por uma grande equipe. “Isso é fruto do esforço dos profissionais da Pró-Rim, dos hospitais parceiros em que os transplantes foram realizados (Hospital Municipal São  José e Hospital Regional), da equipe da Central de Captação de Órgãos e Central de Transplantes.

O resultado alcançado hoje marca o sucesso deste trabalho em equipe e espero que possamos fazer mais 1.500 transplantes em um período de tempo ainda menor. Hoje são realizados de 80 a 100 transplantes por ano. O nosso desafio é aumentar esse número para 120 em curto prazo”, prevê a nefrologista.

A Dra. Luciane explica que a medicina evoluiu muito e na área de transplantes este e avanço é evidente. “Durante muitos anos se dizia que o transplante simplesmente melhorava a qualidade de vida do paciente, mas que a expectativa de vida em diálise ou transplante era semelhante. Apesar da melhora da diálise, o transplante ainda é o melhor tratamento com maior índice de sobrevida do paciente transplantado”, enfatiza.

Salvar Vidas

Vida, vitória e persistência. Para o presidente da Fundação Pró-Rim, Dr. Marcos Alexandre Vieira, estas três palavras definem o momento especial que marca a comemoração dos 30 anos da Fundação Pró-Rim.

“Realizar o transplante de número 1.500 dá a dimensão da nossa missão de salvar vidas dentro do espírito de união de diversas entidades, especialmente com os hospitais São José e Regional, de Joinville”, reconhece o médico.

Acrescenta que “este número representa o símbolo de persistência e força em prol da nossa missão que é fazer a diferença e salvar vidas. O transplante renal significa expectativa e qualidade de vida, além de novos horizontes para o paciente”. Ele também faz um registro especial aos profissionais que garantem aos pacientes renais “carinho, respeito, dignidade e humanização em todas as ações”. O Dr. Marcos lembra ainda a importância em destacar os pioneiros que deram início a todo este trabalho, que são os médicos José Aluísio Vieira e Hercílio Alexandre da Luz Filho, fundadores da Pró-Rim.

O primeiro transplante renal 

O ponto de partida de toda esta história se deu com a realização do primeiro transplante renal em Santa Catarina, em 22 de julho de 1978. A paciente Maria de Souza Assumpção, de 55 anos, moradora do bairro Nova Brasília, em Joinville, foi considerada apta para receber o rim, um procedimento pioneiro e histórico para a época. A cirurgia foi um sucesso e a paciente viveu com o novo rim por mais oito anos.

Juarez Alves Nunes foi transplantado em 1996 e faz questão de dizer que é parte desta comemoração, pois é o paciente de número 150. “A Pró-Rim salvou a minha vida. Sem o transplante, eu teria morrido”, declara. A partir daí, ele garante que passou a ver a vida de uma forma diferente. “Valorizo mais a solidariedade e os momentos simples da vida observa Juarez, que é bancário aposentado e criou a Associação dos Pacientes Renais de Santa Catarina (APAR-SC) em Florianópolis, cidade onde mora. Ele agradece à Pró-Rim: “Fico feliz em saber que já são 1.500 pessoas que assim como eu, tiveram a oportunidade de uma nova vida”.

Da mesma forma que Juarez, os transplantados renais fazem acompanhamento periódico médico e multidisciplinar no ambulatório de transplantes da Pró-Rim,  com o intuito de cuidar e manter o valioso órgão recebido em doação. São realizadas por ano, cerca de 40.000 consultas de preparo e acompanhamento de transplante. 

 

 

 




34º Congresso Brasileiro de Reumatologia terá curso gratuito para 500 pacientes com doenças reumáticas
Cuidados com alimentação podem melhorar seu desempenho no trabalho
Ecomax, tecnologia de ponta em exames por imagem
Florianópolis será sede do Talk Show + Saúde
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado
Patrocinado

Blog do Editor






















Patrocinado





Agenda Executiva

Encontre cursos, palestras e eventos em Santa Catarina


Empregos

Pensou em mudar de empregou ou carreira?
Encontre sua nova vocação



As mais lidas







Reprodução

Permitimos a livre reprodução do conteúdo, respeitados os contextos da edição. Agradecemos a citação da fonte - www.noticenter.com.br

Endereço

Rua Petrópolis, 206 - CEP 89010-240 - Blumenau - SC
Telefone (47) 3035-4314 | (47) 3035-4316

Receba em seu e-mail



Visite as Redes Sociais

Capa | Cidades | Blog do Editor | Legislação | Carreiras | Entidades | Gestão | Indústria | Logística | Marketing | Tecnologia | Têxtil | Imóveis | Saúde | Veículos |